Como gerenciar seus pequenos negócios por meio de uma crise

Independentemente de quão bem administrado seu negócio é, uma crise pode atrapalhar as coisas. Isto é especialmente verdade para as pequenas empresas – os recursos inadequados muitas vezes os tornam incapazes de lidar suficientemente com as ramificações de uma situação de crise. Isso resulta em reações dos cliente e vendas reduzidas, o que afeta a margem de lucro da empresa e prejudica ainda mais sua credibilidade.

Mesmo as maiores e bem reputadas empresas e corporações não estão imunes a tal realidade. A Toyota, uma magnata da indústria automobilística, sofreu uma quantia exorbitante de danos financeiros entre 2009 e 2011 após a liberação de veículos com aceleradores pegajosos que tiraram a vida de muitas pessoas inocentes. A empresa demorou a reagir e relutantemente recordou seus veículos defeituosos, incorrendo em enormes perdas e danos permanentes em sua credibilidade.

Outro exemplo notável é a “Crise de Seringa” da PEPSICO em 1993. Havia alegações de que latas da Diet Pepsi continham seringas que estavam contaminando o conteúdo interno. Ao contrário da Toyota, a Pepsi foi rápida em remediar a situação, prendendo o indivíduo culpado e publicamente pedindo desculpas por seu erro. Como tal, quase não houve qualquer efeito persistente sobre a marca Pepsi e as operações normais foram retomadas em pouco tempo.

As duas situações destacam a importância de uma boa liderança e de uma política proativa de controle de danos. Proprietários de pequenas empresas têm que ser especialmente cautelosos com isso, já que a maioria está iludida ao pensar que sua pequena empresa não é suscetível a uma crise por causa de sua pequena escala. Não ter um plano claro e a liderança que reluta em assumir responsabilidades pode ser gravemente prejudicial para uma empresa.

Embora os exemplos mencionados tenham ocorrido em grandes organizações, existem várias lições valiosas que os proprietários de pequenas empresas podem aprender:

Se a sua pequena empresa acabar no meio de uma crise, aqui estão quatro maneiras de superá-la com sucesso:

1. Avalie a situação objetivamente.

Em momentos de perigo, você deve se lembrar de nunca deixar que suas emoções tirem o melhor de você, independentemente do tamanho do seu negócio. Em vez disso, você deve fazer um esforço ativo para permanecer calmo, coletado e composto. Isso permitirá que você analise objetivamente a situação, permitindo-lhe averiguar a causa raiz de sua situação e chegar a uma conclusão sólida. Reconhecer e definir o problema significa que você já está no meio do caminho para resolvê-lo. Além disso, como CEO, manter a composição tranquilizará seus funcionários e irá inspirar confiança neles.

Se você está em um lugar emocional quando as coisas despencam, será difícil para você considerar todos os aspectos e perspectivas da situação. Isso fará com que você formule um julgamento com base em poucas opiniões selecionadas, que o satisfazem no momento devido ao seu estado mental. Isto pode revelar-se catastrófico para toda a empresa, deteriorando ainda mais a situação. Portanto, é imperativo que você mantenha sua compostura durante esse período desafiador e tome uma decisão calculada para melhorar as coisas.

2. Mantenha um perfil de mídia honesto.

Em 1989, um petroleiro operado pela Exxon atingiu a costa do Alasca e despejou milhões de litros de petróleo bruto no mar. Além de receber uma má imprensa, a situação piorou ainda mais para a Exxon quando a empresa se recusou a reconhecer sua culpa e demorou a abordar publicamente a situação. Essa falta de vontade de cooperar, combinada com um canal lento de comunicação, prejudicou a reputação da empresa, levando-a a ser rotulada como uma empresa ambientalmente hostil.

Este exemplo destaca a importância de manter um canal de comunicação forte e positivo com a mídia e o público. Muitas grandes empresas se sentem como se tivessem evoluído da necessidade de validar as objeções e reservas dos clientes. O mesmo vale para as pequenas empresas, que desconsideram totalmente a necessidade de prestação de contas, alegando que uma organização desse tamanho dificilmente tem qualquer efeito remanescente. No entanto, eles estão gravemente enganados.

Portanto, depois de reconhecer o problema, é sua obrigação informar o público com honestidade, simpatizar com as partes prejudicadas e solicitar seu apoio inabalável. Manter a honestidade é fundamental aqui, pois ocultar até mesmo a menor evidência factual poderia ser severamente catastrófico. Ele pode ser desenterrado pela mídia mais tarde, piorando a situação e reduzindo a confiança e confiança do cliente e do investidor no ponto mais baixo. Além disso, você deve informar o público de maneira lúcida, evitando o uso de qualquer jargão que os confunda e aumente a incerteza. Por conseguinte, é imperativo tornar pública toda a dinâmica da situação ou, pelo menos, os aspectos que dizem respeito aos clientes em questão.

3. Descreva um plano de gerenciamento de crise.

Depois de ter efetivamente apaziguado as partes interessadas internas e externas, é hora de direcionar seus esforços internamente. O primeiro passo é montar uma equipe qualificada de pessoas de vários departamentos pertinentes à situação, como finanças, serviços jurídicos, recursos humanos, etc.

Em seguida, o diálogo deve ser realizado para analisar o problema e especificar as causas subjacentes. Esse discurso saudável expressará opiniões divergentes, que são cruciais para a formação de um plano de ação abrangente. O último passo para corrigir a situação é formular um plano de gerenciamento de crise que está intrinsecamente entranhado na filosofia e ideologia da empresa. Isso garante que a solução proposta não seja diferente da visão da empresa e afete a produção adicional. O rascunho final deve ser o mais completo possível e deve ser especificamente feito sob medida para abordar a situação em questão.

4. Adaptar, improvisar e superar.

A última coisa que resta é avaliar a viabilidade do plano de gestão de crises para o seu pequeno negócio. Antes de implementá-lo, você deve estabelecer alguns objetivos básicos e parâmetros para medir o progresso. Se os resultados desejados ainda não foram alcançados no tempo determinado, é hora de fazer ajustes na estratégia.

Flexibilidade é a chave para abordar a situação de forma abrangente. Como tal, você deve estar preparado para se adaptar e improvisar quando as coisas não estão planejando.

Estas quatro estratégias são um guia simples, mas eficaz, para navegar na sua pequena empresa através de uma crise de qualquer tipo. Se implementado apropriadamente e aderido religiosamente, este plano de ação irá remediar qualquer situação e estabilizará completamente a empresa.

Fonte[adaptado]: https://www.business.com/articles/manage-crisis-situation/

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *